segunda-feira, janeiro 15, 2018

BY BY GIO, VAMOS PARA IRLANDA, POR DOLORES O'RIORDAN.



Ao final da década de 90 eu ouvi pela primeira vez o som contagiante da banda The Cranberries, e logo fui fisgado pela voz vibrante e melodiosa da genial vocalista irlandesa, Dolores O'Riordan, interpretando "Linger" e outros sucessos como "Zombie", "Dreams", “I’ts You” e "Ode To My Family. 



Nesta segunda-feira em que os europeus consideram o dia mais triste do ano em função das friagens intensas e da bruma que apaga o horizonte, faleceu precocemente em um hotel de Londres, aos 46 anos, a musa do rock alternativo, Dolores O'Riordan, de quem me tornei fã, tanto pelo seu talento de intérprete contagiante, quanto pela sua voz e pela frágil beleza. 


Dolores Mary Eileen O'Riordan Burton nasceu em Ballybricken, na Irlanda, em 1971 e era a mais nova de sete filhos da família. Em 1994 ela casou-se com o empresário da banda, Don Burton, mas o casal se divorciou em 2014, após 20 anos de trabalho e então ela passou a enfrentar sérios problemas com o alcoolismo, consorciado com fármacos, em função da sua depressão.

A família e uns poucos amigos não sabem ao certo a causa mortis de Dolores, mas não se descarta a possibilidade de suicídio, uma vez que ao longo dos anos de sucesso sua carreira sofreu revezes decorrentes de uma vida pessoal conturbada, chegando a sofrer um colapso nervoso em 2014 após se separar do "novo marido de 21 anos", Duran Duran, no meio de uma turnê que fazia pelo mundo. 

Dolores amava seus pais e sua família, gostava de viver com simplicidade, mas não suportava a fama e detestava o assédio dos fãs. Retornando de uma turnê, ela sofreu um novo surto nervoso e se declarou culpada de uma agressão dentro de um avião, tendo sido presa em Londres. O tribunal aceitou o argumento da defesa de que O'Riordan estava muito doente, sofrendo hipomania, privação do sono e de paranóia no momento do incidente. 

De fato, a perícia médica diagnosticou que ela estava sofrendo transtorno bipolar e fora multada em £ 4.690, tendo o juiz se recusado a impor uma condenação criminal em alguém que estava mentalmente doente.

Naquele ano terrível de 2014, Dolores concedeu uma entrevista ao jornalista, Berry Egan, do Belfast Telegraph e revelou que passou a sofrer de uma “terrível autoaversão” sempre que se lembrava de ter sido abusada sexualmente quando tinha apenas quatro anos de idade. 

"Ele, o agressor, costumava me masturbar quando eu tinha oito anos. Ele me fez fazer sexo oral para ejacular no meu peito quando eu tinha oito anos. Eu era apenas uma criança", disse ela.

Dolores disse que posteriormente desenvolveu anorexia, e na entrevista admitiu que havia tentado suicídio por overdose em 2013. 

“O trauma manifestou-se no meu comportamento e nas patologias que começaram a se desenvolver em minha vida adulta, como o meu distúrbio alimentar, a depressão e, eventualmente, as agressões. Eu tentei overdose no ano passado e suponho que eu estou predestinada a isso. Eu sou uma pessoa boa, mas às vezes eu bebo e acabo quebrando as garrafas. Tudo é muito pior na manhã seguinte. Quando eu tenho um dia ruim, quando eu tenho más recordações, eu não posso controlar meus impulsos. Esse é o meu pior momento e a minha maior falha”. Contudo, ela jamais revelou o nome do seu algoz, pois sabia que seu pai o mataria. 

Noutra entrevista ela revelou que não pode ter ao seu alcance comprimidos para dormir, porque “se eu tomar algumas bebidas, vou tomar os comprimidos”. E acrescentou: “Nas turnês era muito fácil dizer: 'Eu não consigo dormir, eu preciso tomar uns tragos de bebidas e vou tomar um comprimido. Então você pega um, depois outro e um dia você não acorda. Isso pode acontecer. Eu tenho muito cuidado com isso agora.”

Recentemente ela confessou que, desde a morte do seu amado pai, Terence, em 2011, vítima de câncer, vem enfrentando um terrível batalha contra a depressão e que tem vivido momentos muitos dificilímos para superar a morte de sua mãe, a quem ela dedicou a canção "Ode To My Family.

"Olhando para trás, acho que a depressão, qualquer que seja a causa, é uma das piores coisas que pode acontecer com uma pessoa", disse ela ao Notícias irlandês. "Então, novamente, eu também tive muita alegria na minha vida, especialmente com os meus filhos. Você começa o dia nas alturas, depois vêm os momentos de baixa, de depressão... Claro que isso não é vida!”

Falando sobre a perda de seu pai em uma entrevista concedida em 2017 à RTE, ela admitiu que acreditava que seu ele não havia 'totalmente' deixado este mundo. "Havia um monte de coincidências pequenas, coisas estranhas e outras coisas que me fazem pensar que talvez ele, meu pai, está ainda em algum lugar", disse ela. “E todos nós queremos saber sobre a morte, onde as pessoas vão e o que acontece. Mas, certamente, eles cruzam a partir desta dimensão para outra."

Dolores estava em Londres gravando uma nova versão de "Linger" com a banda "Bad Wolves" e parecia muito animada com o trabalho, quando submergiu numa profunda depressão. Entretanto, no dia 03 de janeiro deste ano, ela postou no seu Twitter uma foto sua com seu gato de estimação e escreveu uma notinha supostamente metafórica ou mesmo premunitória que poderia servir de epitáfio: "Bye bye Gio. Vamos para a Irlanda."

Ruy Câmara

Ouçam: